20 agosto 2010

Pessoas mais do que especiais

É nítido em toda aviação mundial o aumento de passageiros especiais, tanto nos voos nacionais quanto nos internacionais. E aqui no Brasil não é diferente.
A única coisa que me preocupa é o despreparo de alguns profissionais ao lidar com este tipo de passageiro.
Já aconteceu comigo, em aeroportos de grandes capitais, ficarmos mais de uma hora dentro do avião aguardando a chegada de um Ambulift. Eu acho isso um tremendo desrespeito, pois esse passageiro pagou a mesma coisa, ou por vezes até mais do que os outros e merece a mesma atenção.
O que é isso? Ambulift é um caminhão que possui um elevador para poder transportar os cadeirantes ou pessoas com dificuldade de locomoção, em locais que só possuem escada para o embarque e desembarque.

Os aeroportos brasileiros, e digo isso em relação ao das grandes cidades, ainda tem um sistema precário de atendimento aos passageiros especiais. E não digo só em relação aos Ambulifts, mas raramente encontro sinalização de solo decente para deficientes visuais, elevadores com avisos sonoros.
Enfim, há muito para se fazer se esse país quer sediar a Copa do Mundo.

Recentemente recebi um email de um grande amigo meu e me lembrei de uma discussão que tive com um despachante de voo certa vez. Ao avisar que estava liberando o embarque ele falou que tinha uma cadeira para descer primeiro. Eu perguntei se era parente dele, obvio que não era, pois do contrário ele trataria com mais respeito e falaria um cadeirante, já que estamos falando de um ser humano.
E é por essa e outras que divido com vocês a carta desse pai e meu amigo, que sobretudo é uma das pessoas mais iluminadas que eu conheço, para que todos compreendam e respeitem essas pessoas que são pra lá de especiais.

Bem vindo à Holanda
Texto de Augusto Leite


Freqüentemente, me pedem para falar sobre a experiência de ter tido um filho com deficiência física;  esse pequeno texto é uma tentativa minha de ajudar pessoas que não têm com quem compartilhar essa experiência única a entendê-la e imaginar como é vivenciá-la.

Seria como...

Ter um filho é como planejar uma fabulosa viagem de férias - para a ITÁLIA! Você compra dicionário, um monte de mapas das principais cidades e faz planos maravilhosos! O Coliseu. O
Davi de Michelangelo. As gôndolas em Veneza. Você pode até aprender algumas frases em italiano. É tudo muito excitante.

Após meses de antecipação, finalmente chega o grande dia! Você arruma
suas malas e embarca. Algumas horas depois você aterrissa. O comissário de bordo chega e diz:

BEM VINDO À HOLANDA!

Holanda!! - Diz você. - O que o senhor quis dizer com Holanda!?!? Eu escolhi a Itália! Eu deveria estar chegado à Itália. Toda a minha vida eu sonhei em conhecer a Itália!

Mas houve uma mudança no plano de vôo. Eles aterrissaram na Holanda e é lá que você deve ficar.

A coisa mais importante é que eles não te levaram a um lugar horrível,
desagradável, cheio de pestilência, fome e doença. É apenas um lugar diferente.

Logo, você deve sair e comprar novos mapas. Deve aprender uma nova
linguagem. E você irá encontrar todo um novo grupo de pessoas que nunca encontrou antes.

É apenas um lugar diferente. É mais baixo e menos ensolarado que a
Itália. Mas após alguns minutos, você pode respirar fundo e olhar ao redor, começar a notar que a Holanda tem moinhos de vento, tulipas e até Rembrants e Van Goghs.

Mas, todos que você conhece estão ocupados indo e vindo da Itália,
Estão sempre comentando sobre o tempo maravilhoso que passaram lá. E por toda sua vida você dirá:
Sim, era onde eu deveria estar. Era tudo o que eu havia planejado!.

E a dor que isso causa nunca, nunca irá embora. Porque a perda desse sonho é uma perda extremamente significativa.

Porém, se você passar a sua vida toda remoendo o fato de não ter
chegado à Itália, nunca estará livre para apreciar as coisas belas e muito especiais que a Holanda tem pra lhe oferecer.

Dia 15 agora fazem exatos 21 anos que desembarquei na Holanda ... não consigo imaginar como seria minha vida sem essa pequena mudança de vôo ... a você meu filho Pedro Henrique eu agradeço a oportunidade que tu me deste de compartilhar essa jornada terrena ao seu lado.

3 comentários:

Francine disse...

Nossa, que história.! Parabéns pela sua força! Que Deus te abençõe SEMPRE!

Sobre o livro ... queria saber se já tem algum ponto de venda em Volta Redonda - RJ. Quero muito um *o*

Abraço, Francine :D

Valéria disse...

Oi Paula,
Gostei muito do seu blog, parabéns e sucesso!
O meu interesse pela aviação se deu pq tenho uma cunhada comissária, e Deus meu, como ela trabalha! Nas conversas fico sabendo o que acontece nos bastidores, muitas vezes é desumano.
Sempre que puder darei uma passadinha aqui pra saber de mais novidades.
Um forte abraço!

·°¯`·. .´¯¥¯`. BrunaƸ̵̡Ӝ̵̨̄ƷMotta .´¯¥¯`. .·´¯°· disse...

Nossa eu até chorei, que linda história e maravilhoso exemplo!!!

Adorei!

Olha se Deus te deu esta criança é porque você tem a capacidade de cuidar, e mesmo que ele nasça com algo diferente é um ser humano, e é uma coisa maravilhosa.

Parabéns pelo seu esforço, pela sua dedicação.

Que Deus abençoe você e seu filho Pedro Henrique!

Tudo de bom =D